sexta-feira, 23 de dezembro de 2016

Zona de conforto

A zona de conforto de todos nós.


Zona de conforto é o mesmo que: “uma região de tranquilidade a que estamos acostumados. Um lugar que nos dá novas forças nos proporciona novo vigor, bem estar, consolo, comodidade, aconchego”. Geralmente, é muito difícil alguém abandonar algo que transmite tanta tranquilidade. Muitas vezes nos acomodamos com o que estamos vivenciando e não desejamos de maneira alguma abandonar nada.
É difícil sair de casa para fazer qualquer coisa quando temos uma rotina diária de ver televisão, ler quando dá vontade, acordar mais tarde, ter tempo para muitas coisas que antes não tínhamos. Tudo isso funciona como uma droga, e não desejamos abandonar algo que nos faz tanto bem. Acomodamo-nos com isso e só desejamos viver desse jeito.
Paulo em sua carta ao povo de Filipos fala sobre isso. Ele tinha profundo zelo por esse povo que conheceu o Senhor Jesus através dele. Paulo fala sobre a alegria no servir aos irmãos e faz uma colocação bem pertinente aos dias de hoje: “Porquanto, todos procuram cuidar apenas de seus próprios interesses, e não se dedicam ao que é de Cristo Jesus.” Fl 2-21. Isso não aconteceu somente no tempo em que Paulo evangelizava os gregos, acontece agora em nosso meio. Nem os cristãos desejam sair de sua zona de conforto para levar a Palavra aos que não conhecem o Evangelho e muito menos ajudar a quem necessita, pois, ajudar a quem precisa faz parte do repertório que aprendemos com Cristo Jesus. “E, respondendo o Rei, lhes dirá: Em verdade vos digo que quando o fizestes a um destes meus pequeninos irmãos, a mim o fizestes”. Mt 25-40.
Todos nós estamos demasiadamente ocupados e preocupados com nossas próprias necessidades para dedicar algum tempo à obra de Cristo, seja levando consolo, ou ajudando materialmente. Ajudar ao próximo é um ato de misericórdia que todos nós podemos executar todos os dias. Não requer treinamento nem aprendizado, basta apenas boa vontade e disposição para que saiamos de nossa zona de conforto. Não depende também de nossa riqueza, habilidade ou inteligência, são atos simples e são sempre bem recebidos pelos que precisam. 
Na verdade não existem desculpas para não ajudarmos os que possuem grandes necessidades. Ajudar não é somente responsabilidade do governo e da igreja, cabe a nós também, e Jesus nos solicita isso, que ajudemos aos necessitados. “Porventura, não é também que repartas o teu pão com o faminto e recolhas em casa os pobres desterrados? E, vendo o nu, o cubras e não te escondas daquele que é da tua carne”? Is 58-7.
A nossa salvação vem pela nossa fé em Cristo, porém, ela não será sincera se não a estendermos aos nossos semelhantes. A nossa fé deve ser revelada também através de atos de bondade, caridade e generosidade, porque isso agrada a Deus. 
Assim, é necessário sair da zona de conforto, para que o Senhor nos reconheça como verdadeiros praticantes da Sua Palavra: “Muitos me dirão naquele dia: Senhor, Senhor, não profetizamos nós em teu nome? E em teu nome não expulsamos demônios? E em teu nome não fizemos muitas maravilhas? E, não venhamos a ouvir abertamente: “Nunca vos conheci; apartai-vos de mim, vós que praticais a iniquidade”. Mt 7.22-23. Que possamos fazer a diferença, não deixando que nossos compromissos e preocupações nos impeçam de oferecer ajuda às outras pessoas. 

quarta-feira, 21 de dezembro de 2016

O cristão pode ter árvore de natal em casa?



Com a proximidade do Natal recebo algumas perguntas questionando se haveria algum problema em o cristão ter uma árvore de natal em casa, inclusive numa conversa recente  recente com minha esposa, bom vamos lá...já que muitos dizem que a árvore de natal tem uma origem pagã e tê-la em casa (dizem) seria o mesmo que estar adorando a deuses pagãos da antiguidade. Segundo relatos, algumas igrejas chegam até a proibir seus fieis de terem esse ornamento em suas casas.
Esse tipo de tema traz muitas dúvidas na mente das pessoas, principalmente pelo fato de que a Bíblia não fala diretamente sobre eles. Muitos ficariam super tranquilizados se houvesse um décimo primeiro mandamento, dizendo: “não montarás árvore de natal em casa”. Porém não existe tal orientação na Bíblia. Assim, creio que precisemos pensar um pouco na questão para chegarmos a uma opinião madura sobre o tema.



O cristão pode ter árvore de natal em casa?

Se você quer colocar uma árvore de natal em casa, qual a sua intenção com isso?
O simples argumento de que algo foi usado por pagãos no passado não me convence de que não podemos usá-lo hoje. Isso porque os ímpios têm a capacidade de macular todo tipo de coisa em que põe a mão. Imagine, por exemplo, que os ímpios usavam o sexo (criado por Deus) em seus rituais pagãos. Então não vamos mais fazer sexo por causa dos ímpios? Os ímpios faziam cultos aos seus deuses debaixo de árvores frondosas (criadas por Deus). Não podemos então cultuar Jesus Cristo debaixo de uma bela sombra de uma árvore frondosa?

Ímpios criaram, apenas para ser bem superficial, o computador, o celular, vários medicamentos, vários utensílios domésticos e outras coisas que usamos hoje. Minha pergunta é: O fato dos ímpios terem criado essas coisas é um fator determinante para que não as compremos e usemos hoje?
Para mim, em primeiro lugar, o que está em questão é a intenção. Com qual intenção você quer colocar uma árvore de natal em sua casa? Se houver qualquer intenção que fira algum mandamento bíblico, já está errado. Por exemplo, se você coloca essa árvore em sua casa, e com ela faz qualquer oferenda ou faz qualquer adoração que não seja ao Deus Todo Poderoso, você está pecando por isso.
Se acha que ela lhe trará prosperidade, sorte e coisas do gênero, também está no caminho errado. Porém, se você usa a árvore de natal apenas como uma decoração, sem qualquer intenção direta de infringir os mandamentos do Senhor, por que estaria errado montar essa árvore em casa? Ninguém adora um deus pagão só pelo fato de ter uma árvore de natal em casa. É preciso haver a intenção de fazer isso.

Paulo trabalhou uma questão semelhante com a igreja em Corinto. Observe o que ele disse:

 “No tocante à comida sacrificada a ídolos, sabemos que o ídolo, de si mesmo, nada é no mundo e que não há senão um só Deus. Porque, ainda que há também alguns que se chamem deuses, quer no céu ou sobre a terra, como há muitos deuses e muitos senhores, todavia, para nós há um só Deus, o Pai, de quem são todas as coisas e para quem existimos; e um só Senhor, Jesus Cristo, pelo qual são todas as coisas, e nós também, por ele. (…) Não é a comida que nos recomendará a Deus, pois nada perderemos, se não comermos, e nada ganharemos, se comermos.” (1 Corintios 8.4-6, 8)

Ou seja, seguindo na mesma linha de raciocínio, proibir alguém de montar uma árvore de natal em casa por causa de que alguém algum dia usou esse ornamento para adorar seus deuses, (se é que isso é verdade), é um absurdo, já que Deus é quem é o Criador real de todas as coisas e não o maligno.
Ter essa árvore de natal em casa está te trazendo conflitos?



Infelizmente muitos cristãos ainda não têm amadurecimento suficiente para viver a liberdade que Cristo os deu. Na sequência do texto que citei acima, Paulo faz uma ressalva importante, que devemos considerar:

“Entretanto, não há esse conhecimento em todos; porque alguns, por efeito da familiaridade até agora com o ídolo, ainda comem dessas coisas como a ele sacrificadas; e a consciência destes, por ser fraca, vem a contaminar-se. Não é a comida que nos recomendará a Deus, pois nada perderemos, se não comermos, e nada ganharemos, se comermos. Vede, porém, que esta vossa liberdade não venha, de algum modo, a ser tropeço para os fracos. Porque, se alguém te vir a ti, que és dotado de saber, à mesa, em templo de ídolo, não será a consciência do que é fraco induzida a participar de comidas sacrificadas a ídolos? E assim, por causa do teu saber, perece o irmão fraco, pelo qual Cristo morreu. E deste modo, pecando contra os irmãos, golpeando-lhes a consciência fraca, é contra Cristo que pecais. E, por isso, se a comida serve de escândalo a meu irmão, nunca mais comerei carne, para que não venha a escandalizá-lo. (1 Corintios 8.7-13) 




Assim, penso que não devemos, por causa do desejo de ter uma árvore de natal em casa, causar brigas, discórdias, facções, escândalos e outras desinteligências. Se for para causar qualquer dessas coisas, que não agradam a Deus, melhor optar por não ter árvore de natal alguma em casa.
Não por ser pecado em si, pois como diz Paulo, “Não é a comida que nos recomendará a Deus, pois nada perderemos, se não comermos, e nada ganharemos, se comermos.”, mas visando um bem maior, que é abençoar alguém com o nosso sacrifício.
Concluindo, creio que com essa breve análise nesse texto, você possa ter embasamento suficiente para tomar a sua decisão de ter ou não uma árvore de natal em casa, sem qualquer peso na consciência e com embasamento suficiente para explicar a quem quer que seja a razão dessa sua escolha.
Na maioria dos casos não haverá problema algum em você montar sua árvore em casa. Pelo contrário, sua casa ficará mais bonita com essa ornamento! Porém, seja sábio na sua decisão para não se arrepender depois.